Alergias alimentares e seus efeitos colaterais 

  
Descobri da pior forma possível que alergia alimentar não é brincadeira: nesse período de festas de fim de ano comi o que os exames mostraram que eu não posso e passei muito, mas muito mal. Confesso que eu não estava botando muita fé nesse lance de eu ter desenvolvido alergia a tanta coisa depois de velha. Mas bastou comer os alimentos que o médico cortou do meu cardápio depois de ter ficado mais de 1 mês limpando o organismo para eu sentir os reflexos da “ousadia”. Meu braço encheu de bolinha, tive dor de estômago, cólica intestinal, diarreia e muitos gazes. Minha barriga inchou pra caramba e está dura, distendida. Pra piorar, tive dor de cabeça contínua por mais de 24h. Não teve Neosaldina nem Advil que me salvasse. Enfim, o mal estar foi horrível e serviu de lição. Aprendi que não dá pra brincar com isso não. O jeito é manter o mais longe possível da minha boca o os grãos em geral (não posso com trigo, amaranto, cevada, grãos em geral, glúten…), feijões, queijos, leites e outras coisinhas mais. O fato é que para passar por aquele desconforto todo de novo, o alimento vai ter que valer muito, mas muito, mas muito a pena. E vamos que vamos! Sobraram muitos alimentos gostosos para eu comer e usar em receitas novas que me façam bem. Também vai ser divertido adaptar as receitas antigas para que eu ingira apenas ingredientes que me caem bem. #saúdeéoqueinteressa #emagrecebolotinha #rumoaocorpoqmepertence #intoleranciaalimentar 

Eu tenho alergia alimentar

  
Lembra que eu venho reclamando aqui de me sentir muito cansada? Então, resolvi ouvir a minha sogra e fui ao médico que atende toda a família. Pois bem, minha gente, fiz zilhões de exames e descobri que parte do meu cansaço vem do fato do meu corpo estar bem intoxicado com alimentos dos quais eu sou alérgica. Veja bem: descobri (ou desenvolvi) essas alergias aos 36 anos de idade!!! Não é uma loucura?!? Além da famosa dupla “glúten & lactose”, descobri que meu corpo não tolera os feijões (todos), uma série de grãos, um punhado de carboidratos naturais e muito mais. Ainda bem que o vinho passou no teste e não tenho nenhum problema com ele, hehehe! Manter esses alimentos que tenho alergia na dieta significa sobrecarregar meu organismo, desencadear processos inflamatórios e diversos outros problemas de saúde. O médico me propôs uma operação resgate, em que vou tirar do prato tudo que me dá alergia. A conclusão da paródia é que minha alimentação ficará super restrita nos próximos 30 dias. O legal é que é bem próxima de um dia de proteína legumes da #dietadukan. A única diferença é que não como leite e derivados e posso usar azeite. Paralelamente, serei medicada para exterminar outras encrenquinhas que já estão no meu corpo prejudicando a minha saúde. Como eu estou com isso tudo? Na paz. Na hora fiquei meio chateada em saber que terei de cortar de vez coisas que gosto muito de comer. Também fiquei bolada porque terei de tomar um monte de remédios (e eu morro de medo de injeção!). Mas passado um tempo, agradeci por ainda ter um bocado de coisas gostosas e bacanas pra eu me alimentar com prazer. Sem contar que isso vai estimular minha criatividade culinária para preparar pratos cada vez mais diferentes e saborosos com o que eu posso comer. Enfim, aceitei esse ajuste de rota que se mostrou necessário para a minha saúde atual e futura. Ainda que radicais, essas mudanças vão valer a pena, porque são única e exclusivamente para o meu bem. 🙂 #emagrecebolotinha #façopormerecer #docéusócaichuvagranizoeneve #ralaquerola